CLICK HERE FOR BLOGGER TEMPLATES AND MYSPACE LAYOUTS »

sábado, 3 de janeiro de 2009

Só mais um texto

Esse, provavelmente, vai ser só mais um texto. Vai ser só mais um daqueles muitos textos que dia após dia acumulam-se sob a minha mesa. Vai ser só mais um daqueles muitos textos que contam, inutilmente para pessoas que nem eu mesma conheço, o quanto às vezes, mesmo negando, mesmo sem saber, mesmo querendo esconder, eu sinto a sua falta. O quanto ainda doi olhar para trás e, mesmo com uma tonelada de palavras entaladas na garganta, lembrar que você disse que não tínhamos mais nada para conversar. Eu ainda tenho aquela mania que você odiava de usar um pedacinho da barriga de fora, eu ainda me atraso na maioria das vezes, eu ainda finjo que estou aborrecida só para me mimarem e eu ainda continuo com aquelas gordurinhas nas laterais que você sempre apertava mas dizia para eu perder. Os meus amigos continuam os mesmos, mas a maioria não é mais formada por homens, como você sempre ironizava. Eu lembro que um dia te disse que preferia homens porque mulheres são muito complicadas, mas de uns tempos para cá, eu não sei mais como lidar com a ala masculina. Acho que você sabe disso, não é? O meu short continua com a sua "falta de pano" e eu confesso que é o short que eu mais gosto. Não pela sua falta de pano em si, mas por ele vestir bem. Quando eu saio com ele, vários homens reparam em mim, mas tenho que admitir que me olham como se eu fosse uma peça de carne em algum açougue de fundo de quintal, não com aquele seu olhar interessado no que estava acontecendo comigo. Eu continuo sem saber de que são feitos os sanduíches do Bob's, mesmo aqueles com os nomes mais sugestivos, assim como o "Double Cheese". Eu nunca gostei muito de fast-food, e mais da metade do meu lanche, principalmente do refrigerante, continua indo para a lata do lixo. Sou um monstro! Com tantas pessoas passando fome por ai .. Eu continuo alisando o meu cabelo, mas agora é muito mais raro. Pode até parecer uma atitude submissa, mas eu alisava mesmo para te agradar. Eu sempre quis te dar o melhor de mim, mesmo que fosse o melhor na sua concepção. Tudo bem, sei que me anulei demais perante as suas vontades e decisões, mas foi apenas com o desejo de um dia a gente se somar por aí. Eu continuo adorando morder os outros e todo mundo continua reclamando, quando na verdade eu era quem deveria reclamar pela quantidade de bochechas ruins. Ah, que saudade das suas .. Meu pai continua usando 212, mas eu não cheiro mais o vidrinho, nem coloco mais uma borrifada no travesseiro antes de dormir nas noites em que sinto sua falta. O cheiro não faz mais tanto efeito em mim, parece apenas uma vaga lembrança de algo muito, muito antigo. Afinal, faz um certo tempo sim que eu não fico respirando na sua nuca, nem descubro entre uma inspiração e uma expiração que ali foi o lugar pelo qual eu esperei a minha vida inteira. Eu continuo, mesmo sem querer, obedecendo a todas as suas vontades. Nunca mais te procurei, como você me pediu, mas também continuo um pouco orgulhosa, como você sempre repetiu. Eu continuo tendo milhares de amores tortos, assim como sempre você sacaneou, assim como eu sempre tive, mesmo antes da gente se conhecer. Querendo ou não, agora você é mais um desses meus amores, a diferença é que você nunca me liga carente, nem querendo me fazer de saco de pancada. O lugar preferido da minha mão na hora de beijar ainda é no cabelo do outro cônjuge, mas nenhum deles reclamam, ficam estressadinhos ou fazem o carro alheio de espelho por horas. Ô gente sem graça! Eu ainda gosto de contar sobre o que está acontecendo comigo com aquela minha frescura e balançar descontrolados de mãos habituais, mas ninguém ri de uma forma tão gostosa quanto você, nem me calam com um beijo quando eu já falei demais. A minha mãe nem me liga mais com tanta frequência quando eu saio. Para falar a verdade, acho que ela nem liga mais. Hoje em dia ela está traquila, pois sabe que não existe nada que possa tirar o meu chão, a minha razão, e o meu juízo. Eu continuo prendendo a franja para trás como você nunca gostou, mas eu comprei um prendedor novo tão fofinho que tenho certeza de que você ficaria mexendo nele por muito tempo, assim como sempre fez quando achou algo interessante. Lembra quando a gente estava naquele "tempo", sem nem nos falarmos direito, e você, do nada, abriu a minha pasta e pegou para ler umas cartilhas de verbos? Provavelmente você não lembra, mas eu lembro que o meu coração quase saiu pela boca pensando que poderia ser uma maneira sua estranha de se reaproximar. Pois é, quando o assunto era você, eu não pensava com a cabeça. Eu ainda tenho os "rascunhos" daquela carta que eu te mandei e eu ainda releio-os imaginando o que você sentiu quando leu pela primeira vez, mas é inevitável a necessidade que agora eu sinto de escrever muitas coisas a mais. Será que você ainda tem aquela carta? Será que você a relê também? Eu queria te pergunta tantas coisas mais .. Eu ainda reconheço você em uma foto de longe, principalmente por não esquecer que você adorava usar uma blusa de manga comprida por baixo do uniforme, ou uma polo que te deixa com uma cara tão fofinha, que eu tenho vontade de te agarrar. Eu ainda continuo achando você o mais atraente de todos os seus amigos, mesmo você parecendo o Pink do "Pink e o Cérebro" quando corta o cabelo. Sabe, alguns são mais fortes e realmente mais bonitos, mas o que faz ser você o dono dos meus olhos é o fato de como o meu filho poderia ser lindo, mesmo com essas orelhinhas de elfo. Por falar em seus amigos, eu sonhava com o dia que você diria "Pô, tô com a Carol!", quando te ligassem e estivéssemos juntos, mas eu só ouvia você responder "Pô, eu tô sozinho!". Sonhava também em desfilar na presença deles, ou não, de mãos dadas com você e que me apresentasse como o motivo master da sua felicidade, assim como eu sempre falava de você para os meus. Sabe, no final das contas, eu continuo a mesma. Eu continuo não me importado com quem você fica, sai, ou convive, pois por querer tanto você, eu não exijo exclusividade. Eu tenho uma pontinha de ciúmes sim, confesso, mas é só porque eu queria estar ali também, mesmo que fosse como coadjuvante. Faz um favor para mim? Diz para o seu amigo que não vai muito com a minha cara, e para a sua mãe que deve me achar um chiclete neurótico que eu posso ter um monte de defeitos, mas eu só queria trazer para a sua vida o mundo cheio de cores, cheiros e sensações novas e maravilhosas que você trouxe para a minha. Só tem uma coisa em mim que mudou: eu não tenho mais aquela cara de pau de antes. Eu não ouso, mesmo sendo corroída por dentro, contar nada disso diretamente para você. Mas no fundo, é só para não, talvez, piorar a nossa situação e até as lembranças e esperanças sem sentidos você levar de mim. Após tudo isso porém, confesso que eu fiquei mais inteira de coração partido, pois depender tanto assim de alguém não é algo muito recomendável. A sua falta me fez ser um pouco mais racional, mas às vezes sinto falta de quando ao seu lado eu não sentia falta de mais nada.

Beijocas :*

6 comentários:

Fred Abucater disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fred Abucater disse...

Muito bom o texto! Sempre com boas coisas escritas =)

diasemnoites disse...

Oi linda... mto bom teu blog...
fica com Deus... ahhh me acompanha???

Kamilla disse...

Você tá de parabééns! Todos os seus textos são lindos. Continue.
Um beijo.

Karine Rosa. disse...

Seu blog tá lindo, Caroline.
Você tem um lindo dom para escrever. Continue sempre assim e irá longe.

.! gabriella.!* disse...

Caroline, parabens!! vc é demais menina!!
adoro ler as suas coisas..

( qria o seu msn, seria possivel? )

beijos
;*