CLICK HERE FOR BLOGGER TEMPLATES AND MYSPACE LAYOUTS »

domingo, 2 de novembro de 2008

O começo pelo fim

Agradeço por ter mãos, inspiração e coração para conseguir aliviar todas as emoções que formam o meu ser. Tanto as boas emoções que me dão mais força para ir até onde eu quero chegar, quanto as que me empacam, que me tentam para eu desistir no meio do caminho. As primeiras eu escrevo para eternizar, as últimas eu escrevo para matar. Escrever deixo de ser um refúgio para minhas desiluções amorosas, deixou de ser uma forma de justificar minha existência após o suposto fim do mundo e passou a ser uma forma de dizer o que não diria normalmente e fazer as pessoas saberem do que não teriam interesse de. Escrever é agora tão necessário para mim quanto respirar para minha existência. Não queria dedicar mais um texto a você, não queria mais uma vez espalhar tudo aquilo que eu quis tanto um dia te dizer mas que você não permitiu, não queria mais uma vez fazer com que você se sinta, mesmo sem saber, uma pedaço importante de mim, mas é necessário. Obrigada. Obrigada por ter me feito tão feliz, obrigada por ter tirado a acomodação com o passado de mim e ter me feito enxergar e amar um mundo totalmente novo quando eu já nem lembrava de como era a sensação de algo assim. Hoje eu posso lembrar com um sorriso, mesmo que misturado com algumas lágrimas, de tantos momento bons e por um pouco de alegria no que eu escrevo. Obrigada por ter tirado um pouco da menina inocente que eu era, mesmo que eu não me julgasse dessa forma, e ter feito com que eu tivesse tanta vontade de te agarrar, te beijar, te apertar, te morder e fazer com que de alguma forma você se misturasse com a minha pele, se misturasse comigo e quem sabe nós poderiamos estar um pouco ligados para sempre, mesmo que o nosso para sempre tivesse validade. Hoje eu posso escrever de uma forma mais intensa e ao mesmo tempo tão pura. Obrigada por ter feito comigo, mesmo sem saber, coisas bobas mas que eu sempre desejei e que ninguém tinha sido capaz de fazer tão bem. Talvez ninguém tenha sido capaz porque tudo isso estava predestinado a ser com você. Obrigada por ter segurado a minha mão para atravessar a rua, por ter me levantado no colo, por ter feito cafuné quando a minha maior vontade era chorar, por ter feito o meu coração disparar a cada mensagem "minha linda", "meu amor", por se interessar pelo meu dia, por falar comigo sorrindo e por provocar aquelas "brigas" tão fofinhas me chamando de gordinha. Hoje eu posso escrever de uma forma mais completa. Obrigada por ter feito da nossa relação uma relação tão complicada desde o início mas que se descomplicava com um beijo ou com um "não me olha com essa cara que eu não consigo falar!" "é a única cara que eu tenho!" e a gente começava a rir. Hoje eu consigo escrever os meus problemas já pensando em alguma forma de resolvê-los. Obrigada por ter feito o mundo parar tantas vezes, por ter feito o mundo ficar sem importância tantas vezes, por ter feito o mundo ficar pequenininho comparado a todo o amor que eu queria te dar, por todo o amor que eu queria anunciar. Hoje eu escrevo o que sinto no momento, para minhas emoções não se perderem com o tempo. E por fim, obrigada por ter feito do nosso fim algo tão ruim, tão dilacerante, algo causado por motivos tão bobos, algo causado pela sua falta de interesse, algo causado pelo execesso do meu. Foi para suportar a dor de ver você virando a esquina sabendo que era a nossa última vez que eu comecei a escrever. Foi para suportar o peso da culpa que você pôs nas minhas costas, foi para preencher meus dias com qualquer coisa, foi para preencher meu corpo pela ausência dos seus beijos, foi para preencher a minha alma pela ausência do seu cheiro, foi para me preencher pela sua ausência. Escrever foi a minha bússola de volta para meu próprio ser quando você me deixou perdida, foi a reconstrução do meu chão quando você me atirou de tão alto, foi o paninho com o qual eu enxuguei grande parte das minhas lágrimas, foi o banho para me limpar de como eu me sentia tão suja e humilhada e uma forma de sentir você perto de mim, mesmo vendo você tão longe, tão bem, tão impossível. Escrever foi uma forma de dizer o que você não quis ouvir, foi uma forma de continuar tocando a minha vida sabendo que em alguma hora toda aquela dor iria sumir. Escrever foi uma forma de te manter vivo dentro de mim, de continuar sentindo os seus abraços, os seus beijos, o seu cheiro, de tornar o nosso fim algo não tão feio, algo não tão triste, foi uma forma de não deixar que tudo que temos mal resolvido consumisse nossos momentos bons, mesmo que tudo isso fosse apenas um conjunto de letrinhas.

Beijos :*

4 comentários:

nathalia disse...

Menina, você escreve lindamente!
Incrível como alguém tão jovem consiga expressar tão bem coisas tão difíceis de serem expressadas.
Eu te achei por acaso na comunidade da Tati e tô sempre lendo teu blog!
Não sei se vc conhece, mas vc ia adorar tb os textos de Brena Braz
www.ateondevai.blogspot.com. Muito bons! beijo e continue escrevendo

Nathália ;**

marjorie disse...

Nossa, texto mais perfeito esse .. me identifiquei em muitas partes .. parabéns, você escreve MUITO bem.

Beijos, e continue assim, to sempre acompanhando seus textiinhos :)

Tassia disse...

Engraçado, meu relacionamento anterior me fez sentir assim. Eu escrevia pra lembrar das coisas boas, pra ficar tudo mais bonito :) Mas salvava os textos no meu email, e um dia invadiram meu email e deletaram tudo. Serviu pelo menos pra eu esquecer, do bom e do ruim, e seguir em frente. Continuo escrevendo sempre, faz bem pra vc, e bem pra quem lê :)

Tassia disse...

*continue escrevendo